Rodolfo D'Onofrio, na Conmebol © Getty Images Rodolfo D'Onofrio, na Conmebol

Baixe o app Microsoft Notícias e fique atualizado sobre as notícias mais importantes para você. Disponível para iOS e Android.

Enquanto a Conmebol analisa o pedido do Boca Juniors de punição ao rival pelos incidentes na final da Copa Libertadores, o presidente do River Plate detonou as atitudes de seu adversário nesta quarta-feira.

“Está claro que não querem jogar”, disse Rodolfo D’Onofrio em entrevista coletiva. “Peço encarecidamente, se o presidente do Boca estiver assistindo: pare com isso. Deixe de apresentar papéis. Venha jogar. Joguemos a partida. Não inventemos. Você assinou comigo, me deu sua palavra. Ao presidente da Conmebol e a mim”, completou

O mandatário do River Plate disparou palavras duras em direção ao presidente do Boca, Daniel Angelici.

“Ele não teve respeito com o presidente da Conmebol, comigo, com o River. Assinamos um papel que era para postergar a partida em 24 horas, para que se jogasse às 17h do domingo. Foi perguntado a ele diante de mim e do presidente da Conmebol, se eles podiam jogar. Respondeu que sim. ‘Veremos amanhã e então jogamos’”, contou.

Para D’Onofrio, o River Plate não quis ter nenhuma vantagem esportiva e concordou com todos os pedidos do rival, mas acabou sendo surpreendido. “Nunca pensei que nessa noite (o sábado da final) ele estava escrevendo para pedir os pontos da partida. Faltou com sua palavra. Faltou com o que assinou”, declarou.

O presidente dos Milionários disse ainda que sente ‘uma dor imensa’ por tudo que está acontecendo na final. “Para o River, o sabor da Copa não é mais o mesmo. Pelo menos hoje”, afirmou. “Basta da vergonha, do papelão, o mundo está nos olhando.”